Abril, mês da luta indígena. A mostra Corpos da Terra, realizada em 2017 na Caixa Cultural do Rio de Janeiro, nos deu ainda mais certeza de que o cinema é uma ferramenta potente para refletir e debater sobre a resistência indígena no Brasil atual. Em 2018, entre os dias 20 e 23 de abril, continuamos a conversa em parceria com o CineMosca, no FRONT, com exibições de filmes, mesas de discussão em torno da diversidade de mundos indígenas em luta e música.

A experiência feminina, a arte e as línguas indígenas serviram como eixos para conversarmos sobre diferentes modos de estar, se relacionar e conceber a terra. Questões que nos inspiram alternativas e composições de resistência num contexto cada vez mais sombrio de violações de direitos humanos, devastação ambiental generalizada e falecimento das instituições democráticas. Como afirmou Ailton Krenak, "Olhar para a terra, o rio e a floresta como mercadoria é um engano muito grande que vai nos enterrar a todos”. Incansável, a resistência indígena é um sopro de esperança para aqueles que vislumbram um outro mundo - ou outros mundos - nesta Terra.

Realizado de forma independente, a segunda edição do evento aprimorou seu
formato e ganhou o nome de festival. Manteve a exibição de filmes, realização de debates, palestras e rodas de conversa, mas dessa vez incluiu apresentações musicais ao vivo e um breve panorama sobre a produção indígena na academia e nas artes visuais atualmente. Essa edição contou exclusivamente com convidados indígenas falando sobre suas experiências pessoais e de seus parentes.

QUANDO?

20 a 23 de abril, 2018

ONDE?

Espaço FRONT (Rua Benedito Hipólito, Praça Onze, Rio de Janeiro)
corpos sem caixa.png